sexta-feira, 14 de agosto de 2009

A praça Augusto Severo da Ribeira


A praça Augusto Severo, é um dos mais importantes logradouros públicos da zona de preservação da cidade, visto encontrar-se encravado entre os históricos e imponentes prédios do Teatro Alberto Maranhão, antigo prédio do Grupo Escolar Augusto Severo, antigo prédio da Escola Doméstica e o Palacete do Cel. Juvino Barreto (atualmente Colégio Salesiano). Os melhores e mais luxuosos hotéis da cidade, ficavam nessa praça, eram o “Internacional”, “Hotel dos Leões” e o “Avenida”. O melhor cinema da cidade, o Politeama, ficava lá. A própria Estação Ferroviária estava encravada na “Augusto Severo”, era o primeiro local visto pelos passageiros que desembarcavam na cidade do sol a um século! Além de tudo isso, a praça constitui-se o recanto mais bonito e aprazível de toda a Ribeira.

Toda aquela área no inicio do século passado era um pântano. O rio Potengi jogava suas águas no local, durante as marés altas. Em 11 de Junho de 1904, Natal estava tomada por pessoas do sertão, fugindo da seca. O então governador, Dr. Augusto Tavares de Lyra, empregou toda aquela gente na construção e no ajardinamento da futura Praça Augusto Severo.

O desenho do logradouro foi de autoria do arquiteto Herculano Ramos. O sucesso da construção da praça foi logo constatado pelas inúmeras doações da sociedade natalense, de plantas para ornarem os jardins. Eram palmeiras imperiais, fícus benjamim e oitizeiros.

Os serviços foram imediatamente iniciados. Foi construída um sistema de galerias para escoamento das águas, todas as ruas que contornam a praça pelo norte e pelo poente foram calçadas. Foi instalada ainda, uma belíssima fonte de ferro fundido, de alto valor artístico, confeccionada na Europa. A mesma representava a figura de uma indiazinha estrangulando uma jibóia que jorrava água pela boca. Atualmente, essa bela fonte encontra-se nos jardins do Palácio Potengi.

A Praça Augusto Severo, ocupava uma vastíssima área, com o tempo reduzida, inclusive para construção do terminal rodoviário. Atualmente, encontra-se sendo todo reestruturado aquele logradouro, sendo-lhe devolvido seus contornos legais. Apresentava alamedas de oitizeiros e de palmeiras imperiais, havendo ainda um canal de cimento e pedra que circulava parte da praça, como uma serpentina, que enchia de acordo com as águas do rio Potengi. Esse canal, era cortado por três pontes rústicas de bambu oriental.

Bem próximo do palacete de Inês Maranhão Barreto, (esposa de Juvino Barreto e irmã de Augusto Severo), havia um caramanchão com uma cobertura de quatro águas, envolvido por belas trepadeiras. Havia ainda um grandioso coreto com estrutura de ferro, também importado da França e um medalhão em pedestal com a efígie de Nísia Floresta.

Mas sem duvidas, o que mais nos chama a atenção é a estátua em bronze do grande aeronauta Augusto Severo de Albuquerque Maranhão. Foi inaugurada em 1913, por ocasião do transcurso do 11° aniversário da morte do pioneiro da nossa aviação. Essa estátua firma-se em um cone de granito, o qual contem uma placa de bronze com panorama de Paris e o PAX contornando a torre Eiffel, e um medalhão com a efígie de George Sachet, mecânico do PAX. Todo o monumento é projeto do escultor francês, Edmond Badoche, executado por Corbiniano Vilaça.

Um comentário:

  1. Olá Anderson, quero apenas lembra-lo que agora dia 07/09, o Monumento em homenagem a Pedro Velho completará 100 anos de inauguração. O projeto é do mesmo sr. Corbiniano Villaça e a escultura de Edmond Badoche.

    ResponderExcluir