sábado, 28 de novembro de 2009

Manoel Gomes de Medeiros Dantas - Futurista!


Manoel Dantas, nascido em Caicó, sertão do Seridó Potiguar em 26 de abril de 1867, era filho de Manoel Maria do Nascimento Silva e Maria Miquelina Francisca de Medeiros. Foi uma das expressões intelectuais mais proeminentes do período da “belle époque”, no Rio Grande do Norte, fase esta que coincide com a administração do macaibense Alberto Maranhão (1900-1904).

Manoel Dantas pensou para Natal um futuro risonho e belo. Suas projeções visionárias foram publicadas no seu livro: Natal daqui a cinqüenta anos. Segundo Manoel Dantas:


“Natal deverá possuir uma estação monumental na Praça Augusto Severo, que será cortada pela Estrada de Ferro Transcontinental, com seus trens partindo de Londres, passando pelo canal da Mancha, percorrendo a Europa, o norte da Ásia, atravessando o estreito de Behering, cortando a América do Norte, galgando em cima dos Andes, descendo pelos campos de Mato Grosso e Goiás, seguindo o vale do São Francisco, pairando sobre a cachoeira de Paulo Afonso e terminando essa estrada em Natal. O ponto de atração dessa gente cosmopolita seriam os morros e as dunas alvas”.


Intelectual proeminente produziu diversos trabalhos sobre o Rio Grande do Norte: Denominação dos municípios (1922); Thomaz de Araújo (1924) e Homens de Outrora. Foi jornalista renomado, tendo atuado desde o império, com o jornal O Povo em 1889 e depois com A República de 1897 a 1924; o Diário do Natal em 1893 e O Estado em 1895.


Formado em ciências jurídicas e sociais pela Faculdade de Direito do Recife no ano de 1890, Manoel Dantas foi promotor público de Jardim do Seridó e Acari. Nomeado em seguida Juiz substituto seccional do RN. Instaurou a Justiça Federal no RN.


Em 1897 foi nomeado Diretor Geral da Instrunção Pública, cargo no qual permaneceu até 1905. Professor de Geografia do Atheneu e procurador geral do Estado. No segundo governo de Alberto Maranhão, Manoel Dantas volta a dirigir a Instrução Pública até o seu falecimento em 15 de junho de 1925.Político militante, ainda foi eleito Intendente de Natal e deputado estadual constituinte de 1915.

Manoel Dantas possuía uma máquina fotográfica com a qual eternizou a Natal de seu tempo. São películas valiosíssimas que revelam a Natal bucólica de antigamente. Manoel Dantas certamente merece uma biografia que revele o grande pensador e ideólogo que foi. Merece, por todos títulos, ser divulgado para essa nova geração de pesquisadores de nossa história.

2 comentários:

  1. Olá!! trabalho na Escola Estadual Dr. manoel dantas, estamos completando 50 anos amanhã e nesta quinta-feira(07/04/2011) as 19:00, será realizada uma missa na própria escola. Estamos a procura dos familiares do patrono de nossa escola. Por gentileza se puder nos ajudar, agradecemos desde ja. ah, também não onhecia a história do mesmo e fiquei feliz ao saber.
    abraço!!
    Professora Piedade Pereira (piepereira@hotmail.com)

    ResponderExcluir
  2. Parabéns Ânderson. Pessoas de Caicó, como Manoel Dantas, José Augusto, Walfredo Gurgel etc, não podem pertencer ao passado. É uma injustiça.

    ResponderExcluir