sábado, 20 de fevereiro de 2010

Paisagens Potyguares - A casa do Barão de Ceará-Mirim

Solar São Francisco - antiga sede do engenho do mesmo nome. (foto: Gibson Machado)

Barão do Ceará-Mirim
Manoel Varela do Nascimento pertenceu ao seleto grupo de potiguares distinguidos como nobres pelo Imperador D. Pedro II. Já havia presidido a câmara municipal de Extremoz, nos anos de 1829-32 e 1837-40, em 1852 recebia com honras o comando superior da Guarda Nacional dos municípios de Natal, São Gonçalo do Amarante, Extremoz e Touros; foi deputado provincial entre 1868-69 e, durante este mandando, 3º Vice-Presidente da Província do RN.

Senhor de engenho vitorioso no Ceará-Mirim, onde nasceu no natal de 1802, mais precisamente no sítio Veríssimo, foi um dos primeiros proprietários de engenho a utilizar cilindros horizontais, na moagem de cana, em substituição aos cilindros verticais, comumente utilizados. Foi o divulgador da cana de “cayenne” – nordestinizada como caina.


Contudo, o que destacava Cel. Manoel Varela do Nascimento para o recebimento de um título nobiliárquico era o seu devotamento à causa da instrução pública. D. Pedro II foi um governante constantemente preocupado com a educação e tendo em vista os relevantes serviços prestados por Manoel Varela à educação em seu município, fato que resultaria na construção de um estabelecimento escola em 05 de novembro de 1878, teve a distinção de ser o primeiro potiguar a ser agraciado com o título de barão por decreto imperial de 22 de junho de 1874. Ceará-Mirim, sua terra, sua urbe, seu mundo foi o nome que desejou acrescer ao baronato, passando Manoel Varela do Nascimento a ser conhecido como Barão de Ceará-Mirim.


O Barão do Ceará-Mirim foi uma das grandes figuras dominadoras e carismáticas de outrora. E, não obstante sua vida pública movimentada, seu status de nobre brasileiro, permanece um desconhecido personagem de nossa história. Faleceu no dia 01 de março de 1881 e a baronesa Bernarda Varela Dantas no dia 16 de julho de 1890, tendo nascido em 17 de junho de 1821.Manoel Varela do Nascimento pertenceu ao seleto grupo de potiguares distinguidos como nobres pelo Imperador D. Pedro II. Já havia presidido a câmara municipal de Extremoz, nos anos de 1829-32 e 1837-40, em 1852 recebia com honras o comando superior da Guarda Nacional dos municípios de Natal, São Gonçalo do Amarante, Extremoz e Touros; foi deputado provincial entre 1868-69 e, durante este mandando, 3º Vice-Presidente da Província do RN.


Senhor de engenho vitorioso no Ceará-Mirim, onde nasceu no natal de 1802, mais precisamente no sítio Veríssimo, foi um dos primeiros proprietários de engenho a utilizar cilindros horizontais, na moagem de cana, em substituição aos cilindros verticais, comumente utilizados. Foi o divulgador da cana de “cayenne” – nordestinizada como caina.


Contudo, o que destacava Cel. Manoel Varela do Nascimento para o recebimento de um título nobiliárquico era o seu devotamento à causa da instrução pública. D. Pedro II foi um governante constantemente preocupado com a educação e tendo em vista os relevantes serviços prestados por Manoel Varela à educação em seu município, fato que resultaria na construção de um estabelecimento escola em 05 de novembro de 1878, teve a distinção de ser o primeiro potiguar a ser agraciado com o título de barão por decreto imperial de 22 de junho de 1874. Ceará-Mirim, sua terra, sua urbe, seu mundo foi o nome que desejou acrescer ao baronato, passando Manoel Varela do Nascimento a ser conhecido como Barão de Ceará-Mirim.


O Barão do Ceará-Mirim foi uma das grandes figuras dominadoras e carismáticas de outrora. E, não obstante sua vida pública movimentada, seu status de nobre brasileiro, permanece um desconhecido personagem de nossa história. Faleceu no dia 01 de março de 1881 e a baronesa Bernarda Varela Dantas no dia 16 de julho de 1890, tendo nascido em 17 de junho de 1821.

Jaigo pérpetuo dos Barões de Ceará-Mirim

Aspecto da capela do antigo engenho São Francisco, tendo à frente o cemitério particular.

Das diversas propriedades acumuladas pelo barão, destacamos a que lhe srviu de ultima residência – o engenho São Francisco, atualmente convertido em usina e pertencente ao Sr. Geraldo José Ferreira de Melo.

Construção de singular importância para a história política e social do Rio Grande do Norte, a casa grande do antigo engenho São Francisco, segundo a arquiteta Jeanne Nesi, foi desenvolvida em dois pavimentos, apresentando planta quadrangular, com coberturas de quatro águas, beiral corrido com extremidades em “caudas de andorinha”, arrematado por cimalha.

A fachada principal da casa possui uma porta de acesso, ladeada por seis janelas, superpostas por sete janelas rasgadas, guarnecidas por uma única grade de ferro. Todos os vãos são de arcos abatidos, com cercaduras de massa. Na época do barão, ostentava o belo revestimento de cerâmica do Porto, hoje desaparecido.

O piso térreo do prédio é cimentado, sendo conservado o assoalho de tabuado corrido, no pavimento superior. O forro tabuado do térreo permanece, e, no superior, foi colocado gesso. Na parede da sala de honra da antiga residência, repousavam serenos os retratos pintados por um Frances, do Barão e da Baronesa, hoje estão recolhidos ao belo solar do engenho Nascença, pertencente aos herdeiros do descendente e guardião Roberto Varela (*1928 +2006), que me apresentou as imagens durante visita àquele engenho.

Completando a tríade casa-grande e engenho a propriedade dispõe da antiga capela de Nossa Senhora da Conceição, no cemitério da qual repousam os restos mortais dos barões imperiais e outros membros da família.

A casa-grande está razoavelmente conservada, tendo sofrido algumas modificações que a adequaram ao seu atual uso. É preciso que seja tombada pela Fundação José Augusto, para que seja resguardado da especulação e obtenha o reconhecimento oficial de sua importância histórica, artística e sentimental para o vale do Ceará-Mirim e o Rio Grande do Norte.

3 comentários:

  1. GOSTEI MUITO DESTA REPORTAGEM SOBRE O BARÃO DE CEARA MIRIM, CEL. MANOEL VARELA, VISTO QUE TAMBEM SOU UM VARELA. GOSTARIA DE PODER VISITAR O SOLAR SÃO FRANCISCO E OBTER MAIS INFORMAÇÕES.

    ResponderExcluir
  2. Interessante. Fuiconvidado para viver no cinema o persongem em questão. Gostaria de obter mais informações e imagens dele para poder construir sua composição de forma bem proxima da realidade,

    ResponderExcluir
  3. Olá, interessantíssimo texto! Poderia disponibilizar as fontes?

    ResponderExcluir