terça-feira, 29 de maio de 2012

Bruno Bourgard

                                          Anúncio no Jornal Rio Grande do Norte de 1892

                                                       Bruno Bourgard

Da família Bourgard, Max foi o primeiro a chegar ao Brasil. Deixou a Alemanha com aproximadamente 18 anos, fugindo do serviço militar. Em Recife, o rapaz foi acolhido pelo cônsul da Alemanha que, posteriormente, o entregou a uma família de ourives no município de Jaboatão, com quem aprendeu as artimanhas da profissão que abraçou por um determinado tempo. 

Seu pai, um técnico em curtume, foi contratado para assessorar a instalação de uma indústria congênere no Rio de Janeiro e trouxe toda a família (mulher, filha e o filho Bruno Bourgard). Finda a missão no Brasil, a família Bourgard retorna para a cidade de Altenburg, na Alemanha, e Bruno decide ficar e se associar ao irmão Marx. A atividade dos irmãos Bourgard se estendeu por vários estados do Norte e Nordeste. 

Segundo o neto de Bruno – Roberto Bourgard – os dois irmãos tinham conhecimento de fotografia desde a Alemanha. Max era mais comerciante do que fotografo, enquanto Bruno se dedicava ao aperfeiçoamento das técnicas do seu metiê. Os irmãos chegaram na Paraíba em 1889. Possuíram estúdios: Rua Conde D’Eu, 4 Campina Grande, PB; Rua da Areia, 77 Parahyba (João Pessoa), PB e Rua Treze de Maio (Princesa Isabel), 38 Natal, RN.

A sociedade foi desfeita possivelmente em 1897 e, no ano seguinte, Bruno, já por conta própria, oferecia seus serviços ao público de Natal (Diário do Natal, 2 ago. 1898, p.2). O mesmo anúncio foi publicado em 55 edições. Logo a seguir, ao longo do mês de novembro, informava que se retiraria por um período da capital (Diário do Natal, 1 nov. 1898, p.2). No final do mesmo ano encontrava-se de regresso, oferecendo seus serviços “quer esteja o dia limpo quer nublado” (Diário do Natal, 29 dez. 1898, p.2), anúncio repetido até o final do ano seguinte em 264 edições do periódico.

O fotografo Bruno Bourgard foi um itinerante clássico, prosseguindo com suas viagens pelo interior do Nordeste em busca de clientes. No Rio Grande do Norte em especial, se fazia presente nas festas das padroeiras locais, retratando as pessoas e algumas vezes aspectos urbanísticos das cidades e vilas por onde passava. Em 1904, o governador Alberto Maranhão solicitou seu estúdio para fazer imagens da capital Natal, quando Alberto deixava o governo para Tavares de Lyra.

Em 1907, vamos reencontrar anúncios da Photographia Allemã de Bruno Bourkhardt (sic) em Natal, onde permaneceu pouco mais de dois meses (Diário do Natal, 28 ago. 1907, p.2). Para não se confundir com o irmão, parece ter recuperado seu verdadeiro nome de família, Bourkhardt, e passou a adotá-lo em seus anúncios. Talvez, a adoção do nome artístico Bourgard (uma versão afrancesada) tenha sido uma decisão dos irmãos visando facilitar a assimilação do nome pela maioria das pessoas que solicitava seus serviços. Bruno permaneceu na atividade até meados da década de 1930, quando faleceu.

Bruno Bourgard casou no início do século XX e fixou-se definitivamente na capital Paraibana. Enedina Toscano (D. Sinhá) era o nome da esposa de Bruno. O casal teve os seguintes filhos: Alberto, Wilhelm, Joseph, Ronald, Maria Neusa e Elizabeth.

2 comentários:

  1. Tenho uma foto com meus Avós maternos em Parelhas, onde se lê o nome dele no rodapé

    ResponderExcluir
  2. Somos gratos pelo conhecimento que o seu artigo nos propicia, ficamos orgulhosos ao vermos a História do Nordeste preservada, o comércio entre as capitais regionais registrado, a convivência entre as populações, a nossa identidade pan-nordestina ratificada. Parabéns.

    ResponderExcluir