sábado, 15 de junho de 2013

Professor Rivaldo D'Oliveira - um imortal macaibense!

Acadêmico professor Rivaldo D'Oliveira. Foto: Cláudio Marques

Professor Rivaldo, como era chamado, fez história na Escola Agrícola de Jundiaí, onde foi um dos fundadores e lecionou por mais de trinta e cinco anos. A Escola de Jundiaí era motivo de orgulho para o professor e parte da sua vida. Sempre se referia com muito carinho e devoção à instituição onde, além de ensinar, exerceu funções de coordenação e administração.

E Rivaldo era lembrado com respeito por todos. Durante mais de seis décadas, fez questão de participar de todas as festas de ex-alunos. Mesmo aposentado, costumava colaborar com as atividades da Escola. E a Escola Agrícola de Jundiaí do Professor Rivaldo, o fazia vibrar com tudo que dizia respeito à instituição.

Rivaldo nasceu em Nova Cruz, em 06 de agosto de 1927. Filho de Fenelon D’Oliveira e Ana Bezerra de Oliveira, passou a infância ao lado dos seis irmãos na capital do Agreste.

Em 1946, fez exame para admissão no curso Técnico Agrícola da Escola de Agronomia do Nordeste, em Areia, na Paraíba. Lá, além de concluir o curso técnico, conheceu Terezinha, sua esposa e companheira por mais 60 anos.

Ainda solteiro, Rivaldo assumiu como professor na Escola Agrícola de Jundiaí. Em setembro de 1953, casou com Terezinha e passaram a residir na Escola. Isso acabou estreitando os laços de amizade com muitos de seus alunos.

Além da formação na escola técnica em Areia, Rivaldo também se formou bacharel em Geografia pela UFRN. Foi Diretor da Escola Comercial de Macaíba, da Escola Normal na mesma cidade e também substituto do Diretor da Escola de Jundiaí.

Também recebeu homenagens por sua história com a cidade de Macaíba. Recebeu o título de Cidadão Macaibense e o Diploma de Mérito Auta de Souza concedidos pela Câmara de Vereadores daquele município. Foi condecorado também com a Medalha do Mérito Augusto Tavares de Lyra, concedida pela prefeitura da cidade. Era membro Academia de Letras de Macaíba, onde ocupava a Cadeira nº 14 cujo patrono é João Alves de Melo e do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte. Em Natal, recebeu o Título de Mestre da Vida, pela Câmara de Vereadores no ano de 1999 e foi homenageado com o Prêmio Técnico Agrícola Potiguar por ocasião dos 25 Anos do Movimento Potiguar dos Técnicos Agrícolas.

Na literatura, publicou em 2009, o livro “Escola Agrícola de Jundiaí - Ontem, hoje e amanhã”, que conta os 60 anos de história do instituição.

Dos mais de 60 anos de união com Terezinha, Rivaldo teve dez filhos, sendo uma de coração, dezenove netos, três bisnetos, uma a caminho, e muitos amigos.

O nosso confrade professor Rivaldo d’Oliveira faleceu ontem dia 14 de junho, aos 85 anos, vítima de uma arritmia cardíaca quando se preparava para o café da manhã. A missa de corpo presente foi realizada às 7h30 no Centro de Velório Morada da Paz, na Rua São José, de onde seguiu o cortejo para o sepultamento no Cemitério Parque Morada da Paz.


Estive com professor Rivaldo pela última vez na reunião da Academia Macaibense de Letras no dia 25 de maio. Ele foi um dos primeiros a chegar e o último a sair. Sugeriu que a Academia colocasse uma placa na Palmeira Macaíba, que dá nome à cidade, explicando sua origem cientifica. Sempre esteve presente a todas as reuniões e solenidades. Mesmo residindo em Natal, nunca deixou de participar de nada que a Academia fazia.

Com dados biográficos coligidos por sua neta, a jornalista Cristina D'Oliveira Vidal.

2 comentários: