sexta-feira, 24 de junho de 2016

Uma reliquia de Thomaz de Araújo Pereira, 1º Presidente do Rio Grande do Norte



Bengala confeccionada em madeira e cabo de prata portuguesa, pertencente ao Thomaz de Araújo Pereira (1765-1847), 3º do nome, 1º presidente da Província do Rio Grande do Norte, nomeado por patente do imperador Dom Pedro I e cuja peça ficou como herança para seu neto João Damasceno Pereira de Araújo (1827-1908), Tenente Coronel da Guarda Nacional e senhor das fazendas Bulhões (Acari-RN) e Saco do Martins (Caicó-RN). Após a sua morte foi herdado pela sua neta Francisca Xavier de Araújo (1876-1929) e cujos descendentes doaram ao Instituto Tavares de Lyra essa peça histórica. Se basearmo-nos no ano da morte de Thomaz, 1847, a bengala possui cerca de 169 anos.

Com os descendentes de José Bezerra de Araújo, ex-prefeito de Currais Novos/RN, em Natal, existe um cajado que pertenceu ao presidente Thomaz de Araújo Pereira (1765-1847), e que sabe-se morreu cego. O cajado chegou a José Bezerra de Araújo por seu avô o coronel da Guarda Nacional José Bezerra de Araújo Galvão (1843-1926).

sexta-feira, 17 de junho de 2016

Duas teses para a origem de Thomaz de Araújo Pereira Júnior (Thomaz Bengala)

Ananília Regina de Araújo, filha de Thomaz de Araújo Pereira


Benvenuto Pereira de Araújo, filho de Thomaz de Araújo Pereira


A origem de Thomaz de Araújo Pereira Júnior (Thomaz Bengala) é um mistério da genealogia potiguar, aparentemente, sem perspectiva de solução. Porém, há suspeitas de dois Thomaz de Araújo Pereira, ambos originários de São Gonçalo do Amarante, e que um deles possa ter sido pai de Thomaz Bengala, que no seu inventário em 1862, constava como Thomaz de Araújo Pereira Júnior, mas que posteriormente em documentos diversos, através de registros de nascimentos de seus netos teve o seu nome invertido de Thomaz de Araújo Pereira Júnior para Thomaz Pereira de Araújo.

Primeira hipótese para a tese genealógica de Thomaz de Araújo Pereira Júnior, o Thomaz Bengala.

        I- Thomaz de Araújo Pereira, que era natural de São Gonçalo do Amarante/RN, nascido em 06 de outubro de 1799, batizado aos 19 de outubro de 1799, filho de Antônio Pedro de Araújo, que era natural da região de São Gonçalo do Amarante/RN, nascido em 1764 e falecido em 07 de outubro de 1848 com 84 anos de idade na região do Seridó/RN, e de Tereza de Jesus da Rocha, nascida aos 29 de agosto de 1774, batizada aos 17 de setembro de 1774, e falecida em 11 de setembro de 1838 com 64 anos de idade, casados antes de 1794, contraiu matrimônio com JOANA MARIA DO SACRAMENTO, natural do Assu/RN, morou um tempo no Seridó, depois foi para o Assu, posteriormente para Santana do Matos, onde batizou filhos, que foram:

             1- Manoel Thomaz de Araújo, nascido por volta de 1824 e falecido em 23 de agosto de 1886 com 62 anos de idade em Jucurutu/RN, que casou com Maria Joaquina do Espírito Santo.

            2- Ana, nasceu aos 07 de outubro de 1828, batizada aos 12 de outubro de 1828 pelo Padre Manoel José Fernandes, sendo padrinhos Manoel de Araújo Pereira e a esposa Ana Maria dos Reis, esta filha de Antônio Pedro de Araújo.

         3- Francisco, nasceu aos 08 de fevereiro de 1830, batizado aos 21 de fevereiro de 1830, e os padrinhos de batismo foram Joaquim José de Medeiros e a esposa Ana Maria de Jesus, por sua procuradora Maria Tereza, solteira.

        4- Joaquim, nascido aos 21 de fevereiro de 1831, os padrinhos de batismo foram Vicente de Araújo Pereira e a esposa Helena Maria, esta filha de Antônio Pedro de Araújo.

            5- José, nascido aos 15 de maio de 1834, batizado aos 01 de junho de 1834 em Santana do Matos, sendo padrinhos de batismo  Francisco Xavier de Seixas e a esposa Ana Maria.

           6- João, nascido aos 21 de setembro de 1835, batizado aos 29 de setembro de 1835 em Santana do Matos sendo padrinhos de batismo João Gonçalves Pereira, casado, e Francisca de Andrade, solteira.

          7- Sebastião, nascido aos 21 de janeiro de 1837, batizado aos 04 de abril de 1837 em Macau, sendo padrinhos de batismo José Martins Ferreira e a esposa Josefina Martins Ferreira.

        8- Conegundes Maria de Araújo, batizada aos 04 de dezembro de 1839, casou com Francisco Manoel de Seixas, filho de Francisco Xavier de Seixas e de Ana Maria, casados aos 30 de janeiro de 1827, neto paterno de Miguel Teotônio de Seixas e de Tereza Maria Barbosa, e neto materno de José Gonçalves e de Isabel Pereira.

           9- Thomaz.

       Não foi encontrado batismo de nenhum filho do casal Thomaz de Araújo Pereira e Joana Maria do Sacramento com o nome Thomaz, mas existe a hipótese que desse casal possa ter nascido um filho por nome Thomaz, que se não tiver falecido criança, pode ter atingido a idade adulta e ter se tornado possivelmente Thomaz de Araújo Pereira Júnior, que era o mesmo nome completo de Thomaz Bengala.


A seguir, a segunda hipótese desta tese para a genealogia de Thomaz de Araújo Pereira Júnior, o Thomaz Bengala.

        II- TOMAZ DE ARAÚJO PEREIRA (Irmão do Antônio Pedro de Araújo acima citado), natural de São Gonçalo do Amarante/RN, nascido aos 11 de dezembro de 1771, filho de José de Araújo Pereira e de Helena Barbosa de Albuquerque, contraiu matrimônio por volta de 1797 com a prima legítima Antônia Gomes Carneiro, natural de São Gonçalo do Amarante/RN, nascida em 08 de fevereiro de 1782, filha de Manoel de Abreu Soares (bisneto) e de sua 2ª esposa Ana Maria Carneiro, neta paterna do português Hipólito de Sá Bezerra e de Joana Barbosa de Albuquerque, e neta materna do português João Gomes Carneiro e de Ana Ferreira de Miranda.

           Filhos de Thomaz de Araújo Pereira e de Antônia Gomes Carneiro:

          1- José de Araújo Pereira (Neto), batizado aos 27 de dezembro de 1797 na Igreja de São Gonçalo do Amarante/RN, pelo padre José Gonçalves de Medeiros Lisboa, e os padrinhos de batismo foram o avô paterno José de Araújo Pereira, e Antônia Francisca de Melo, solteira, na ocasião, mas que foi a esposa de Alexandre Ferreira de Miranda.

          José de Araújo Pereira casou em 09 de junho de 1823 na capela de São Gonçalo do Potengi com Ana Maria de Jesus, filha de João Felix Ferreira Neves e de Leonor de Morais, sendo ela natural da Freguesia das Mercês da Serra do Coité/PB, e o celebrante do casamento foi o Padre Manoel André de Paiva, e as testemunhas foram João Teixeira, solteiro, e João Barbosa, casado.

           Registro de batismo de José de Araújo Pereira (NETO):
Aos vinte Sette de Dezembro de Mil Settecentos e noventa e sette na Igreja de S. Gonçallo o Padre José Gonçalves de Medeiros Lisboa de minha Licença batizou e pos os Santos Óleos ao innocente JOZÉ, filho Legitimo de Tomas de Araújo Pereira, e Antonia Maria, todos desta freguezia, netto paterno de Jozé de Araújo, e Helena Barbosa, e netto materno de Manoel de Abreu Soares e Ana Maria. Forão Padrinhos Jozé de Araújo Pereira, e Antonia Francisca de Melo, solteira. De que para constar mandei fazer este assento em que me assigno. Feliciano Jozé Dornelles. Vigrº Colado.

         2- Ana Ferreira de Miranda (bisneta), foi batizada em 01 de março de 1800, foram padrinhos Antônio José de Lemos e a sua esposa.

       Ana Ferreira de Miranda casou aos 11 de outubro de 1819 na Matriz de Nossa Senhora da Apresentação de Natal/RN com João Félix Ferreira, filho de João Felix Ferreira Neves e de Leonor de Morais, e o celebrante foi o padre Francisco Antônio Lumachi de Melo, e as testemunhas foram João Teixeira de Carvalho e Geraldo Ferreira Neves.

         Esta Ana Ferreira de Miranda reproduziu o nome completo da sua bisavó materna Ana Ferreira de Miranda, a 1ª do nome.

         3- Jerônima, nascida a 24 de julho de 1802 e batizada em 07 de agosto de 1802, e os padrinhos de batismo foram José Aurélio de Moura Melo e a esposa Margarida Pereira, e o vigário que celebrou o batismo foi o Pe. Antônio Pedro de Albuquerque.

          4- Helena, nascida em 01 de outubro de 1804, batizada em 04 de novembro de 1804, foram padrinhos de batismo Antônio José dos Santos, e Ana Rita de Araújo, filha de Gabriel José de Amorim e de Maria Rosa da Conceição.

       5- Thomaz, que nasceu em 1813 e foi batizado em 01 de janeiro de 1814, e que se esse Thomaz sobreviveu a infância deve ter adotado o nome completo de Thomaz de Araújo Pereira Júnior, mas existiu um Thomaz de Araújo Pereira Júnior que era o Thomaz Bengala, que é este o nome que consta em seu inventário, falecido em 31 de outubro de 1862, e que era casado com Rita Regina de Miranda, filha de João Ferreira de Miranda, natural de São Gonçalo do Amarante/RN, nascido em 18 de setembro de 1802, batizado em 30 de setembro de 1802, e falecido aos 06 de julho de 1892 com 89 anos de idade em Santana do Matos/RN, e de Joaquina Maria da Conceição.

         João Ferreira de Miranda foi batizado pelo Pe. Antônio Pedro de Alcântara na capela de São Gonçalo do Amarante, foram padrinhos de batismo Antônio Francisco Vieira e a esposa Francisco Xavier dos Prazeres, e ele era filho de Alexandre Ferreira de Miranda, nascido por volta de 1763 e falecido aos 30 de setembro de 1841, com 68 anos de idade em Santana do Matos, e de Antônia Joaquina de Melo, casados provavelmente por volta no ano de 1798, na Freguesia de São Gonçalo do Amarante, neto paterno de João Gomes Carneiro, natural de Portugal, e de Ana Ferreira de Miranda, natural de Goianinha/RN, nascida por volta de 1730 e falecida em 27 de maio de 1786 com 56 anos de idade, e neto materno do capitão Antônio Rodrigues Santiago, nascido por volta de 1752 e falecido em 26 de abril de 1803, e de Inácia Francisca de Melo, casados em 24 de novembro de 1773 na capela de São Gonçalo do Amarante/RN.

         Registro de batismo de Thomaz Júnior, que pode ser, em tese, Thomaz de Araújo Pereira, o Thomaz Bengala:

No primeiro de janeiro de mil oito centos e cartoze na Fazenda da Pedra do Navio o Padre Fidelis de Paiva solemnemente batizou a THOMAS filho legitimo de Thomas de Araújo e Dona Antonia Maria naturaes e moradores desta Freguesia: forão Padrinhos Pedro Miguel e sua mulher Maria Ignácia moradores nesta mesma Freguesia. Do que para constar mandei fazer este termo que assignei. Feliciano José Dornelles. Vigrº Collado.

      Os padrinhos de batismo desse Thomaz foram Pedro Miguel e Maria Inácia, ele natural do Estado do Maranhão, e ela filha do português Gabriel de Amorim e de Maria Rosa da Conceição, e esta última filha do casal José de Araújo Pereira e de Helena Barbosa de Albuquerque.

Há uma tradição, repassada a este pesquisador por d. Ananília Salustino Soares (Niná Salustino), de que os pais de sua avó Ananília Regina de Araújo eram primos, porém, sem indicar qual o grau exato. Contudo, com a genealogia de João Ferreira de Miranda (sogro de Thomaz Bengala), e a genealogia do provável Thomaz Bengala, tudo leva a crer que Thomaz Bengala e sua esposa Rita Regina de Miranda eram primos em terceiro grau.

Isso significa que Tomaz de Araújo Pereira Júnior (Tomaz Bengala) era parente bem próximo do sogro João Ferreira de Miranda, possivelmente primos em 2º grau, assim sendo Tomaz Bengala pode ter sido neto materno de Manoel de Abreu Soares e da 2ª esposa Ana Maria Carneiro, enquanto que João Ferreira de Miranda era filho de Alexandre Ferreira de Miranda, este que por sua vez era irmão de Ana Maria Carneiro (Dentro de nossa tese, a provável avó materna de Tomaz Bengala), ou seja, o pai de João Ferreira de Miranda era irmão da provável avó materna de Tomaz de Araújo Pereira Júnior, o Tomaz Bengala.

         6- João de Araújo Pereira, batizado em Mulungu aos 08 de agosto de 1815, sendo os padrinhos de batismo João de Araújo Pereira, tio paterno do batizado, e Ana Ferreira de Miranda, que era Irmã do batizado, filha de Tomaz de Araújo Pereira e de Antônia Gomes Carneiro.


       7- Antônio de Araújo Pereira, batizado em 08 de outubro de 1820 pelo Pe. Manoel André de Paiva, foram padrinhos Domingos José Freire e a esposa Joaquina Josefa Camelo.

Cabe então, ao leitor, escolher a tese que melhor represente a indagação em tela. Particularmente, fecho questão, diante do que foi pesquisado, com a segunda hipótese. Destacando ainda que o segundo matrimônio de Rita Regina da Câmara com Manoel Pires de Albuquerque Galvão, que ocorreu na cidade do Acari, conforme consta do assentamento:


Aos trinta de setembro de mil oitocentos e sessenta e nove, pelas sete horas da tarde, no Sítio Cascavel, desta Freguesia de Acari, depois de obtida as necessárias dispensas de parentesco de afinidade, proclamas e hora, uni em matrimônio os contraentes Manoel Pires de Albuquerque Galvão e Rita Regina da Câmara, viúvos, sendo ele desta Freguesia e ela da Freguesia de Sana Rita da Cachoeira, servatis servandis, sem impedimento algum, em presença das testemunhas Antonio Pires de Albuquerque Galvão e Sérvulo Pires de Maria Galvão, que comigo assinaram o assento, pelo qual mandei fazer este assento que assino. O Vigário Thomaz Pereira de Araújo.

A respeito da dispensa de parentesco de afinidade que consta no casamento de Rita Regina de Miranda com o segundo esposo Manoel Pires de Albuquerque Galvão, afirmo que a bisavó materna de Manoel Pires de Albuquerque Galvão (Ana de Araújo Pereira, a 1ª do nome) era irmã do provável avô paterno de Thomaz Bengala (José de Araújo Pereira). Uma dispensa de parentesco de afinidade em um registro de casamento significa comparar o parentesco entre o 1º marido e o 2º marido.

segunda-feira, 13 de junho de 2016

Troncos da família Medeiros do Seridó

Esta é a família Medeiros advinda dos Irmãos Rodrigo de Medeiros Rocha e Sebastião de Medeiros Matos na Freguesia de São Pedro da Ribeira Seca, Conselho da Ribeira Grande, Ilha de São Miguel, Região dos Açores, Portugal. Filhos do casal Manoel de Matos e de Maria de Medeiros Pimentel:

              F.1  Maria Frias de Medeiros,  nascida em 1696 e faleceu em 28 de fevereiro de 1722, com 25 anos de idade, batizada em 21 de outubro de 1696 pelo Pe. João de Souza Freire, e o padrinho de batismo foi  o tio paterno Rodrigo de Matos Filho.

         Maria Frias de Medeiros contraiu matrimônio em 25 de junho de 1719, com Manuel de Souza Vieira Moreira, filho de Inácio Moreira e Bárbara Francisca Ferreira, e o celebrante foi o Cura Pe. Domingos de Souza Âmbar,  e as testemunhas Pe. João de Souza Freire e Francisco de Frias Machado.

         F.2 Josefa Maria de Frias, batizada em 16 de fevereiro de 1698 pelo Pe. Manoel de Carvalho, sendo padrinho foi o tio paterno Rodrigo de Matos.

          Josefa Maria de Frias contraiu matrimônio aos 18 de julho de 1726, em São Pedro da Ribeira Seca com o Alferes Manuel de Melo Cabral, filho de João de Almeida Mascarenhas e Maria de Melo Cabral, o celebrante foi Padre Manoel da Costa, e as testemunhas José de Arruda e o Pe. Manoel de Medeiros Ponte.

          F.3 Manoel de Medeiros, nascido em 04 de novembro de 1699, foi batizado aos 09 de novembro de 1699, pelo Pe. Manoel de Carvalho, sendo padrinho de batismo o Feitor Francisco Cordeiro da Mota.

          F.4 Belchior Manoel, nascido em 26 de março de 1701, na Freguesia de São Pedro da Ribeira Seca, foi batizado aos 29 de março de 1701, pelo Padre Manoel de Carvalho, e o padrinho de batismo foi Francisco Cordeiro da Mota, e as testemunhas foram o Pe. Jerônimo da Rocha e João de Arruda.

           F.5 Bartolomeu de Frias, nascido em 09 de setembro de 1702, batizado aos 17 de setembro de 1702, e o padrinho foi Manoel de Frias Pereira.

           F.6 Antônio de Frias, nascido em 04 fevereiro 1704, batizado a 09 de fevereiro de 1704 pelo Pe. Manoel Cabral, e o padrinho foi Antônio Brum da Silveira.

           F.7 Ana do Espírito Santo, nascida em 01 de junho de 1705, batizada aos 06 de junho de 1705, e o padrinho foi o Capitão Antônio Brum da Silveira, e testemunhas do batizado foram Bartolomeu de Frias (avô materno) e seu filho Francisco de Frias Machado.

           Ana do Espírito Santo casou aos 18 de maio de 1736, com Bernardo de Souza Moreira, filho de Inácio Moreira de Souza e de Bárbara Ferreira, sendo celebrante o Pe. Manoel de Souza Pacheco, e as testemunhas Inácio Cordeiro de Sampaio e Manoel de Souza Moreira.

           F.8 Antônio de Medeiros, nascido em 17 de janeiro de 1707, batizado aos 23 de janeiro de 1707, foi padrinho Manoel de Frias Pereira.

           Antônio Medeiros casou aos 05 de março de 1735, na Freguesia do Divino Espírito Santo da Maia com Francisca de Rezende, filha de Domingos Bulhões de Melo e Maria Francisca de Rezende, sendo celebrante o Pe. Manoel da Ponte, e as testemunhas Belchior Manoel e Manoel de Medeiros Macedo.

          F.9 Rodrigo de Medeiros Rocha,  nascido em 21 de janeiro 1709, batizado em 26 de janeiro de 1709 pelo Pe. João de Souza Freire, sendo padrinhos Manoel de Frias Pereira, e as testemunhas do batismo foram João da Silva e Antônio da Silva.

          Rodrigo de Medeiros Rocha veio para o Brasil, onde casou por volta de 1738, com Apolônia Barbosa, filha de Manoel Fernandes Freire e Antônia de Morais Valcácer, (1ª do nome).
                               
          F.10  Francisco de Medeiros, nascido em 30 de setembro de 1710, batizado em 12 de outubro de 1710, o padrinho foi Antônio Brum da Silveira.

         Francisco de Medeiros casou a 08 de agosto de 1736, em São Miguel de Vila Franca do Campo com Antônia Francisca de Medeiros, filha de Antônio Jácome Raposo e Maria Pacheco Muniz, foi celebrante o Pe. Adriano de Paiva de Medeiros, e as testemunhas Pe. Francisco Pereira Couto e Antônio Muniz Furtado de Medeiros.

          F.11 Francisca Margarida, nascida em 14 de julho de 1712, batizada a 18 de julho de 1712, sendo padrinhos foram Manoel Pacheco Botelho (casado com Maria de Arruda) e Maria Madalena (esposa de Francisco de Matos da Costa).

          Francisca Margarida contraiu matrimônio aos 20 de julho de 1735, com João de Melo, filho de Domingos de Melo e Maria Francisca de Rezende, sendo celebrante o Pe. Manoel Pacheco de Melo, e as testemunhas foram Manoel de Medeiros e Belchior Manoel.

          F.12 Sebastião de Medeiros Matos, nascido em 19 de janeiro de 1716, batizado em 30 de janeiro de 1716 pelo Pe. Domingos de Souza Ambar na Freguesia de São Pedro da Ribeira Seca, Conselho da Ribeira Grande, Ilha de São Miguel, e o padrinho de batismo foi o Pe. João de Souza Freire, e as testemunhas do batismo foram João da Silva e o Sacristão Manoel Rodrigues.

          Sebastião de Medeiros Matos veio para o Brasil e casou provavelmente por volta de 1738 com Antônia de Morais Valcácer, (2ª do nome), nascida provavelmente em 1720, filha de Manoel Fernandes Freire e de Antônia de Morais Valcácer, (1ª do nome).

Obs: O português Sebastião de Medeiros Matos e sua esposa Antônia de Morais Valcácer são os trisavós maternos do Conselheiro Luís Gonzaga de Brito Guerra, o Barão do Açú.

          F.13 Antônia Maria de Medeiros, nascida em 16 de novembro de 1718, batizada a 21 de novembro de 1718, tendo por padrinho o Pe. Antônio Furtado de Mendonça, casada em 07 de dezembro de 1737 na Freguesia de São Pedro da Ribeira Seca com Francisco Ferreira, nascido em 03 de março de 1710, filho legítimo de Inácio Moreira e Bárbara Francisca Ferreira, o celebrante foi José do Amaral, e as testemunhas Pe. Sebastião Cordeiro e Manoel Dias.

          F.14 Bernardo de Medeiros, nascido em 20 de setembro de 1720, batizado aos 26 de setembro de 1720, sendo padrinho o Pe. Antônio Furtado.


A família Saldanha do Seridó Potiguar

Joaquim da Silva Saldanha, que era natural do Estado do Ceará, era filho de Domingos da Silva Saldanha (batizado a 28-02-1762 na Matriz do Icó-CE) e de Maria Rosa Cândida de Miranda. Neto paterno de Miguel da Silva, (batizado a 19-09-1698) natural do lugar Santiago, Freguesia de Castelo do Neiva, Conselho e Distrito de Viana do Castelo, Portugal, e bisneto paterno por Miguel da Silva, de Domingos Álvares Saldanha e de Joana da Silva Barbosa, naturais de Portugal.

Francisca Joaquina Maia, que também era natural do Estado do Ceará, era filha de Francisco Alves Ferreira Maia e de Cosma Fernandes.

O casal Joaquim e Francisca habitaram em Catolé do Rocha/PB. Os filhos de Joaquim da Silva Saldanha e Francisca Joaquina Maia que tenho conhecimento foram estes listados abaixo:

F.1 Benvenuto da Silva Saldanha, casado com Leonor Burle Monteiro, filha de Cândido Pereira Monteiro e de Maria Joaquina Burle, estes por sua vez casados em 03 de novembro de 1849, neta paterna de Manoel Pereira Monteiro e de Maria José de Jesus da Rocha, e neta materna de José Burle e de Joaquina Burle.

F.2 Cosma da Silva Saldanha, casada com Francisco da Silva Grilo, filho de José Antônio da Silva Grilo.

F.3 Pedro da Silva Saldanha, casado com Maria Cândida Monteiro, filha de Cândido Pereira Monteiro e de Maria Joaquina Burle.

F.4 Cristina da Silva Saldanha, casada às 15 horas do dia 03 de março de 1851 com Manoel Martins Veras, natural de Campo Grande/RN, filho de Luciano Martins Veras e de Cosma Rodrigues Veras, neto paterno de Manoel Martins Veras, e neto materno de Silvestre Rodrigues Veras e de Eugênia Ferreira de Barros, e o casamento foi celebrado pelo Pe. Manoel Bezerra Cavalcante na Fazenda Mulungu, Região de Catolé do Rocha/PB, e as testemunhas do casamento foram Joaquim Felício de Almeida Castro e Miguel Joaquim de Almeida Castro.

F.5 Joaquina da Silva Saldanha, casada com Manoel Martins Veras, que já era viúvo da primeira esposa Cristina da Silva Saldanha.

F.6 Benedito da Silva Saldanha, nascido em 1835, casado aos 21 de dezembro de 1871 na Matriz com Josefina Augusta Dantas, nascida em 1854, filha de Manoel Dantas Correia de Góes e de Jacinta Augusta Brandão, neta paterna de José Dantas Correia de Góes e de Isabel Rita Caetana da Silveira, e o casamento foi celebrado pelo Pe. Bernardo de Carvalho Andrade, e as testemunhas do casamento foram o Capitão Manoel Martins Veras e José Dantas de Góes e Vasconcelos.

         OBS.: O casal Benedito da Silva Saldanha e Josefina Augusta Dantas foram os pais de Joaquim da Silva Saldanha (Coronel Quincas Saldanha), nascido por volta de 1872.


Quincas Saldanha. Foto: Clenildo Maia. 


7- Francisco da Silva Saldanha, nascido em 26 de abril de 1837, batizado aos 07 de junho de 1837, pelo Padre José Gonçalves de Vasconcelos, e os Padrinhos de Batismo foram José Lobo dos Santos e a esposa Felícia Joaquina de Jesus.

8- Joaquim da Silva Saldanha, nascido aos 05 de setembro de 1839, batizado aos 07 de novembro de 1839 pelo Padre José Ferreira da Mota, sendo padrinhos de batismo Joaquim Felício de Almeida Castro e a esposa Cosma Rodrigues Veras.

9- Delmiro da Silva Saldanha, nascido aos 15 de fevereiro de 1846, batizado aos 15 de maio de 1846, pelo Padre Pedro José de Queiroz, e padrinhos de batismo foram José Fernandes de Queiroz e Sá a Carolina Gomes da Silveira. Foi casado na Fazenda Saco do Martins, Caicó-RN, aos 26-11-1892 com Porfíria Porcina Pereira, filha do coronel João Damasceno Pereira de Araújo e Tereza Alexandrina de Jesus.